Carne e Ambiente

Um relatório da Organização da Nações Unidas datado de 29 de Novembro de 2006 aponta o sector da criação de gado como o principal responsável pela criação dos gases de estufa no Planeta. Segundo este estudo, a produção de carne e derivados emite 18% das emissões antropogénicas de gases com efeito de estufa, mais do que todos os meios de transporte juntos, sendo também uma das causas principais da degradação do solo e da água.
Há já vários anos que estudo a relação entre os hábitos alimentares e a degradação ambiental e existe evidência inequívoca de que a alimentação moderna, em particular o consumo de carne, está ligada a um número interminável de problemas ambientais graves.
Erosão do solo, destruição de florestas tropicais, extinção de espécies animais (em particular pássaros), destruição da camada de ozono, elevado consumo energético, esgotamento e contaminação das reservas de água são alguns dos problemas directamente relacionados com o hábito de comer carne diariamente.
Na realidade, se todo o Mundo adoptar os hábitos alimentares ocidentais, rapidamente esgotaremos as reservas de petróleo e água, destruiremos milhões e milhões de hectares de floresta e poderemos criar um planeta onde a vida, tal como a conhecemos, pode deixar de ser possível.
E para que tal não aconteça (apesar de já existirem estudos mais pessimistas que dizem que a Natureza entrou numa situação de não retorno) temos decididamente que mudar de hábitos e reflectir maduramente sobre o efeito das nossas acções diárias nos seres humanos, nos outros seres vivos e, ultimamente no planeta que nos sustenta.
 
16 de Abril de 2007
Francisco Varatojo